20.6.11

Mais uma historia da tal Búzios Antiga - por Nelson Motta















ESPERANDO BARDOT - por Nelson Motta
Naquele tempo uma viagem a Búzios era uma aventura que exigia grande paciência, disposição e coragem. Mas o tempo estava do nosso lado, éramos jovens e cheios de energia, era sexta-feira e ficamos dançando chá-chá-chá e hully-gully no Le Bateau até as tantas, quando meu amigo Ratinho propôs a grande aventura. Entusiasmados, decidimos botar o pé, ou melhor, o fusca, na estrada.

De Copacabana fomos até o cais da Praça Quinze e entramos numa longa fila de carros que aguardavam a chegada da barca que nos levaria a Niterói. Depois de uma longa espera, perdemos a vaga por um carro de diferença, tivemos que esperar a seguinte. Uma hora depois, visivelmente alcoolizados, atravessávamos lentamente a Baia de Guanabara sob o céu estrelado, um barco apitava na noite, as luzes da cidade se afastavam como as pérolas de um colar. Com o vento no rosto, cantávamos os novos sucessos da bossa nova que tocavam no radio do carro, João Gilberto, Sylvinha Telles, Nara Leão, não poderia haver trilha sonora mais adequada.
De Niterói a Cabo Frio, noite a dentro, o fusca azul enfrentou galhardamente uma pista estreita precariamente asfaltada, cheia de curvas perigosas, bufou e resfolegou numa serra, cruzou pontes balançantes e duas horas e meia depois chegamos. Quase. Com o dia já amanhecendo entre as salinas tomamos um café no posto de gasolina na entrada de Cabo Frio e pegamos o caminho para o paraíso.

A estrada para Búzios era pouco mais que uma picada aberta no mato, esburacada e poeirenta. Em mais uma hora estaríamos lá, qualquer sacrifício seria bem-vindo diante da possibilidade de ver Brigitte Bardot de perto. Estrela máxima do cinema francês, deusa do sexo que povoava nossas fantasias (e do mundo inteiro), Brigitte veio para o Brasil com o namorado Bob Zagury (um argelino de Ipanema que orgulhosamente a imprensa chamava de "franco-brasileiro") e se apaixonou por Búzios, uma vila de pescadores onde ninguém a conhecia. Para ela o Taiti era aqui. Para nós ela era a encarnação da beleza, da liberdade e do desejo. E Búzios, bem, era uma ruazinha de pedras em frente ao mar azul, com algumas cabanas de pescadores e mais nada. Não tinha luz, gás, água ou telefone. Mas tinha B.B.!

Onde ? Perguntamos a um pescador e ele apontou uma casa de madeira num canto da praia. Subimos numa pequena elevação e nos colocamos atrás de uma grande arvore, em posição privilegiada para a nossa delicada missão, olho vivo e faro fino. Ficamos ali de plantão, caindo de sono, até meio dia, quando finalmente as janelas verdes se abriram e vislumbramos uma cabeleira loura passando pela sala. Uma bossa nova começou a tocar na vitrola.
Segunda-feira na faculdade ninguém vai acreditar. A porta se abriu e, finalmente, em todo seu esplendor, Ela, bronzeada, cabelos ao vento, enrolada em um pano estampado.
Inundada de luz e alegria, abriu os braços para o sol e, num movimento rápido, desenrolou o pano do corpo e lançou-o ao vento e nua como em " E Deus criou a mulher " correu para o mar azul diante de nossos olhos pasmos e de nossos corações disparados. Na faculdade ninguém acreditou.
Quarenta anos depois, sai de Búzios há menos de duas horas, vim escrevendo esta história no laptop e já estou chegando em Ipanema.

 Publicado em 3 de abril de 2002 no Jornal do Brasil e o Jornal O Globo nas comemorações dos 50 anos do BNDES -

3 comentários:

  1. Recordar é reviver... adorei... já imaginaram se desse para parar o mundo nesses momentos tão especiais?!?

    ResponderExcluir
  2. Bismark (chanceler ou demonio)13 de agosto de 2011 08:34

    é memo!!

    ResponderExcluir