15.6.11

O Funk Carioca elevou a Símbolos sexuais mulheres gordinhas : È o maior movimento cultural brasileiro ou não?

Mulher Melancia e ainda Preta Gila que se beneficiou da quebra do Paradigma por parte do Funk 
 Em minha ultima postagem sobre o Funk carioca rolou uma movimentação interessante que pendeu tanto contra como a favor da minha opinião de que era esse ritmo o maior movimento cultural brasileiro  depois do samba.
Indo mais fundo nas qualidades e importância do funk  trago a tona agora sua importância como movimento estético; quebrador de paradigmas no padrão de beleza  imposto pela mídia a partir da década de 80 e endossado aqui no Brasil pela Rede Globo  de televisão que é o da “Mulher magricela”.  Com o Funk Carioca surgiu símbolos sexuais – a questão de uma possível vulgarização da mulher fica para uma outra discussão-  mulheres fora desse padrão até então monopolizante.  As tais “mulheres  Frutas” são todas gordinhas!  Quadris largos, coxas grossas, bundas exuberantes e barriguinhas gostosamente salientes. .
Isso é uma mudança poderosa a que a esnobes de plantão torcem o nariz, mas é o que há. Esta ai para quem quiser ver: Mulher melancia , Mulher Filé, Jaca, Morango seguidas por outras....

Recentemente esteve no Brasil   uma modelo  mais recheadinha, trazia um quadril mais avolumado e sobrinhas lindas- não sei o nome dela e to com preguiça de procurar- que dividiu as opiniões sobre a beleza na passarela: Ouvi uma entrevista de uma modelo brasileira magérrima  que dizia que se tratava de uma mulher linda com certeza mas que para uma modelo não era adequado sua silhueta. Por quê?  Onde está escrito isso? Na bíblia?

O certo que por mais que se espante isso é bom e mais uma prova de o quanto o Funk carioca é o maior movimento cultural atual no Brasil. A extensão de estética abrange todos os pólos possíveis de se atingir e mexe em coisas que pareciam dogmas, como o caso do padrão de beleza escolhido pela TV.
Victor Viana @VIanaBuzios 
Varias mulheres frutas juntas 



Mulher Filé e seus peneusinhos 

Um comentário:

  1. Sou gordinha e não me sinto elogiada! Nós mulheres não estmos no mundo para sermos objetos sexuais,não importa nosso peso.Funk não é cultura,é degradação total da imagem da mulher brasileira!

    ResponderExcluir